Os testes e os dublês - Parte 1

Test Double Em tempos onde discussões envolvendo a relevância dos testes têm causado furor nos diferentes campos da área do desenvolvimento de software, nada mais justo do que "chovermos no molhado", e falarmos sobre testes, mocks, stubs e todos os seus primos menos famosos.

Nessa primeira parte, vamos conceituar toda essa "sopa de letrinhas" e detalhar a forma peculiar como os testes são tratados dentro de um dos times da Globo.com.

Qual causa, motivo, razão ou circunstância?

Eu gosto muito da linha de pensamento que colegas como Rafael Martins e Rômulo Jales, têm em relação a testes automatizados: Pare de perder tempo separando-os em unitários, funcionais, aceitação ou regressão, e vá escrevê-los.

Particularmente, acho vantajoso praticar o TDD, deixando com que os testes me ajudem a montar a arquitetura da aplicação. Quando roubamos um pouco da filosofia do parágrafo anterior, temos um foco maior na resolução de um requisito do que na "minúcia" de uma classe/módulo/pacote. Organicamente conseguimos atingir um desenvolvimento focado no funcional, muito próximo de propostas como a do BDD, sem precisar recorrer a artifícios como user stories.

Ok... deixamos de ser tão "unitários", e aprendemos a lidar com o todo. Mas e os acessos ao banco de dados? Ao Memcached ou Redis? E as interações entre meus serviços e APIs internas? E as escritas em disco? E as sessões do usuário?

Como lidar com tudo isso?

O Case de Esportes 1

O Esportes 1 é um dos 3 times que compõe o núcleo de desenvolvimento da área de esportes, da Globo.com.

No time, decidimos que a maioria dessas interações deve estar lá em tempo de execução dos testes. Ou seja, (com uma ajudinha do Django) nossos testes consultam o banco de dados, interagem com a camada de cache, escrevem em disco, etc.

Somos tão preguiçosos que os testes chegam a consultar os ambientes de teste/desenvolvimento dos serviços criados por outros times, como dados semânticos, de dados esportivos, de vídeos, etc.

Obviamente temos o trade-off dos tempos de execução, que até o momento não chegaram a ser um problema tão grande para a equipe.

Um lugar escuro e frio

Concluímos que nossos testes não são nem de longe isolados. Estamos mais preocupados em validar o comportamento de uma funcionalidade do que de um objeto em específico.

Batemos no peito, orgulhosos de nossa decisão, e começamos a encarar o mundo com olhos marejados pelo árduo caminho que percorremos para chegar até aqui.

Mas existe a "borda" da aplicação. Dali para fora, você não tem controle algum sobre o que acontece. Você apenas tem a promessa de que aquela API vai funcionar. Deixar com que os testes batam nesses serviços "estrangeiros" pode custar muito tempo (e claro, dinheiro), tornando inviável a execução dos mesmos em tempo de desenvolvimento.

E é aí meu amigo, depois dessa justificativa gigante, que entram os mocks, stubs, spies, etc.

Don't mock me!

Entram os dublês!

Vamos abrir um parênteses aqui para esclarecer o conceito de "mock". Na documentação da biblioteca de mock do Python, temos a seguinte (e incrivelmente sucinta) definição:

A “mock object” is an object used to replace a real one in a system under test.

Ou, nas palavras de Martin Fowler:

(...) objetos pré-programados com informações que formam uma especificação das chamadas que esperam receber.

O termo mock faz parte de um conceito mais genérico, conhecido por Test Double. Segundo Fowler, esse termo é usado para qualquer objeto que tem por finalidade, em um teste, substituir um objeto real.

Logo, quando em Esportes1 consumimos um recurso externo, "mentimos" para o sistema. Além do Mock, existem outros dublês que nos ajudam nessa tarefa:

  • Dummy: Objetos com o propósito apenas de "ocupar espaço", geralmente usados em passagens de parâmetros;
  • Fake: Objetos funcionais, mas inadequados para um ambiente de produção;
  • Stubs: Providenciam respostas pré-configuradas, e normalmente não respondem a nada que não esteja programado para o teste;
  • Spies: Você pega um objeto real, substituindo o comportamento apenas de alguns métodos.

O InfoQ possui um artigo do Martin Fowler, traduzido para o Português, onde ele conceitua bem os diferentes tipos de dublês, principalmente o mock e stub. Vale a leitura.

Na segunda parte deste post, utilizaremos cada conceito de forma prática, e discutiremos um pouco mais sobre o grande dilema: Mockar ou não mockar.

Até a próxima.

Referências