Virtualenvwrapper: O básico para um bom ambiente de desenvolvimento Python

Logotipo do Python

Já falamos sobre o virtualenv há muito tempo atrás, aqui no blog. Tirando alguns detalhes técnicos, a bem da verdade é que de lá para cá, pouca coisa mudou.

Apesar do seu uso ser completamente trivial, ter virtualenvs espalhados pelo seu disco rígido pode ser chato de gerenciar. Que tal uma forma simples e centralizada de manipular os seus ambientes Python?

É aí que entra a virtualenvwrapper!

virtualenv + virtualenvwrapper == Win

O virtualenvwrapper, como o seu nome sugere, é um wrapper para o virtualenv, adicionando algumas funcionalidades para facilitar a vida dos Pythonistas.

Uma ferramenta simples, porém maravilhosa, que engloba as seguintes features:

  • Organiza todos os seus ambientes virtuais em um único lugar.
  • Adiciona funções de create, delete e copy.
  • Troca de ambiente com um único comando.
  • Permite a criação de hooks para todas as suas operações.

Além disso, é uma ferramenta bem documentada! As instruções a seguir são todas retiradas da própria documentação.

Não confunda ambiente virtual com realidade virtual (oculus-news.com)

Instalando

Para instalar o virtualenvwrapper, o pip é o caminho mais fácil:

$ pip install virtualenvwrapper

Se você estiver usando o Bash, será necessário executar as seguintes instruções após a instalação (recomendável colocá-las em seu ~/.bash_profile):

$ export WORKON_HOME=~/.virtualenvs
$ source /usr/local/bin/virtualenvwrapper.sh

Caso você utilize o oh-my-zsh, basta adicionar o virtualenvwrapper ao seu plugins.

A partir de agora, temos novos comandos disponíveis em nossa linha de comando.

Usando

Antes de mais nada, uma dica: Se você não quer mais cair no pecado de instalar pacotes Python em seu sistema operacional, e permitir apenas instalação em virtualenvs, basta exportar a seguinte variável de ambiente:

export PIP_REQUIRE_VIRTUALENV=true

Pronto! O pip apenas continuará o procedimento de instalação de pacotes se você estiver com o seu ambiente virtual ativo.

Para criar um virtualenv, utilizamos o comando mkvirtualenv:

$ mkvirtualenv teste

Caso você queira criar um ambiente para uma versão de Python diferente da default do seu sistema, basta especificar com o parâmetro --python:

$ mkvirtualenv teste_py3 --python=/usr/local/bin/python3.4

Estamos com o ambiente ativo, isolado e totalmente limpo! Vamos instalar o Django:

(teste) $ pip install django

E como sei que o meu pacote foi instalado em um ambiente isolado, e não no site-packages do meu sistema operacional? No caso do exemplo acima, podemos garantir verificando o path do executável django-admin:

(teste) $ which django-admin
/Users/<user>/.virtualenvs/teste/bin/django-admin

Notem o .virtualenvs/teste/ no path. Muito legal, não? Dessa forma, se eu tiver um projeto que necessite do Django 1.4, por exemplo, consigo instalá-lo sem afetar os demais projetos na minha máquina.

Para desativar o environ, basta executar o comando deactivate:

(teste) $ deactivate

E para trocar de ambiente virtual, usamos o comando workon:

$ workon teste

Caso você queira ir para a pasta correspondente ao projeto, sempre que realizar o workon, basta utilizar o comando setvirtualenvproject no diretório escolhido:

$ workon teste
$ cd ~/Workspace/teste
$ setvirtualenvproject
Setting project for teste to /Users/<user>/Workspace/teste

Pronto! Agora toda vez que você fizer um workon, será automaticamente direcionado para a pasta ~/Workspace/teste.

Considerações finais

Quando você trabalha com inúmeros projetos em Python, fica muito evidente a necessidade de ambientes virtuais. Ter diferentes libs, de diferentes projetos, em diferentes versões, de maneira isolada é sem dúvida nenhuma uma das maiores vantagens de utilizar virtualenv.

Então, se você quer começar em Python (de forma "profissional"), a minha dica é: Comece instalando o virtualenvwrapper.

Referências

Publicado em