Esse é mais um post sobre Vagrant

Logotipo do Vagrant Sim! Esse é mais um post sobre Vagrant, entre tantos outros espalhados pela Web. Sim! Se você já conhece a ferramenta, provavelmente não terá nada de novo para você nesse artigo.

Já falamos um pouco sobre ambientes virtuais, e as vantagens são numerosas. A "atomicidade" de poder construir e destruir um ambiente inteiro, sem acarretar efeitos colaterais ao seu ambiente de trabalho, traz agilidade sem perder segurança e sanidade.

Sem dúvida o que levou "Virtualização" de um buzzword para uma necessidade real na vida dos profissionais foi a diminuição do overhead na criação de ambientes virtuais. Hoje, uma porção de ferramentas é capaz de realizar essa operação de maneira muito fácil.

Entre essas ferramentas está o Vagrant.

Quanto mais perto de produção, melhor

Por quê? Por que usar Vagrant? Por que adicionar essa complexidade na minha stack de desenvolvimento?

Quem utiliza mais de um ambiente (como dev, qa, staging, etc) defende que eles servem como "peneiras" para pegarmos eventuais bugs e problemas de integração de código.

Você já deve ter se deparado com o famoso problema "works on my machine": Instalou aquela dependência que resolve a sua vida, mas quando sobe para algum ambiente ela simplesmente não funciona.

Ter um ambiente muito próximo de produção disponível para você em tempo de desenvolvimento pode ser uma excelente ideia para economizar tempo, otimizar processos, e lhe dar segurança para fazer aquela subida de código em plena sexta-feira.

Vagrant FTW

Segundo o Wikipedia:

Vagrant is computer software that creates and configures virtual development environments. It can be seen as a higher-level wrapper around virtualization software such as VirtualBox, VMware, KVM and Linux Containers (LXC), and around configuration management software such as Ansible, Chef, Salt, and Puppet.

É isso mesmo o que você leu! O Vagrant é uma ferramenta que serve como uma "cola" entre a sua máquina VirtualBox e o seu provisionamento por Puppet.

Nesse blog, eu uso o Vagrant para simular o meu ambiente de produção da Digital Ocean, composto por uma máquina Ubuntu Linux com Nginx, provisionada através de Salt Stack. O meu Vagrantfile ficou assim:

# Vagrantfile API/syntax version. Don't touch unless you know what you're doing!
VAGRANTFILE_API_VERSION = "2"

Vagrant.configure(VAGRANTFILE_API_VERSION) do |config|
  config.vm.box = "ubuntu1210-64"
  config.vm.box_url = "https://github.com/downloads/roderik/VagrantQuantal64Box/quantal64.box"

  config.vm.network :forwarded_port, guest: 80, host: 8080
  config.vm.synced_folder "salt/roots/", "/srv/salt/"

  config.vm.provision :salt do |salt|

    salt.minion_config = "salt/minion"
    salt.run_highstate = true
    salt.verbose = true

  end
end

Quer entender o que está acontecendo no exemplo acima? A documentação de Getting started do Vagrant é uma excelente dica para começar. Engloba desde a instalação até o provisionamento.

Não é desse Vagrant que estamos falando... (deathsdoormatt.com)

O Salt Stack é uma excelente ferramenta de provisionamento escrita em Python. Vale muito a pena conhecer.

Considerações finais

Além da vantagem de ter um ambiente próximo de produção disponível para você em tempo de desenvolvimento, com o Vagrant temos uma segunda vantagem: Quando um novo integrante fazer parte do seu time, basta ele clonar o projeto e dar um vagrant up. Pronto! O ambiente levanta-se em uma máquina virtual, e é provisionado sem necessidade de intervenção humana.

Existem toneladas de artigos na Web sobre o Vagrant. O Usando o Vagrant como ambiente de desenvolvimento no Windows, do Simples Ideias e Vagrant: Fácil E útil do Flávio Silveira são duas boas referências para quem está iniciando.

Nos próximos posts pretendo dar uma pincelada no Salt Stack e Ansible.

Até a próxima.

Referências