REST - Parte 1

SOAP vs REST

Em tempos onde os microservices ganham cada vez mais força, e aplicações de sucesso liberam a sua API para desenvolvedores construírem um ecossistema ao redor delas, não considerar seguir boas práticas na construção de um serviço pode ser uma tomada de decisão arriscada, tanto no quesito do negócio, quanto no quesito técnico.

A Internet já passou por muita coisa quando o assunto é API, desde a total falta de padrões até a criação de protocolos exageradamente complexos. O REST vem como uma solução elegante que está longe de ser "anárquica", porém mais longe ainda de ser complicada.

Serviços Web podem ser burocráticos

Antes de mais nada é preciso dizer que a "Internet é maior que a Web". Ou seja, quando digo que você deveria utilizar REST, estou sendo específico para um determinado tipo de solução na camada HTTP.

Quando falo sobre serviços na Web, automaticamente sou remetido a SOA ou SOAP. Até então, nunca consegui pensar nesses dois termos de forma dissociada, mas não é bem assim que as coisas funcionam...

A Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) é um padrão onde aplicações provém serviços para demais componentes através de protocolos de comunicação. Uma arquitetura SOA vai além de definir uma API, ela define a interface em termos de protocolo e funcionalidade, provendo assim uma maior interoperabilidade do seu serviço.

Mas o que necessariamente significa o termo "serviço"? Segundo o Open Group:

Is a logical representation of a repeatable business activity that has a specified outcome (e.g., check customer credit, provide weather data, consolidate drilling reports). Is self-contained. May be composed of other services. Is a "black box" to consumers of the service.

Já o SOAP, de forma bem resumida, é um protocolo que utiliza a linguagem de marcação XML e baseia-se nos protocolos de comunicação RPC e HTTP para negociação e transmissão de mensagens. Quem já trabalhou com a tecnologia pode até duvidar, mas a sua premissa é simplicidade e independência de linguagem, modelo e transporte.

Com o passar do tempo os termos acima ficaram estigmatizados por serem "bloated". O excesso de "corporativismo" para construir um serviço e distribuir dados pode terminar em um processo muito bem documentado, porém, é uma "carga" de banda e desenvolvimento que nem sempre estamos dispostos a pagar.

É aí que entra o REST.

Serviços Web podem ser simples

O REpresentational State Transfer (REST) é um estilo de arquitetura amplamente utilizado no desenvolvimento de serviços Web. Segundo o InfoQ:

REST é um conjunto de princípios que definem como Web Standards como HTTP e URIs devem ser usados (o que freqüentemente difere um pouco do que muitas pessoas atualmente fazem). A promessa é que se você aderir a princípios REST enquanto estiver desenhando sua aplicação, você terá um sistema que explora a arquitetura da Web em seu benefício.

Em outras palavras, você não precisa de um programa específico no lado do back-end e um client exclusivo no front-end para consumir serviços REST... Basta lermos arquivos XML ou JSON utilizando os verbos (GET, POST, PUT e DELETE) do protocolo HTTP.

Considere o Martin Lawrence como seu dado (stackoverflow.com)

Na verdade, espera-se que o consumidor e produtor do serviço não possuam qualquer vínculo maior que o "respeito" ao contrato daquela determinada API, reduzindo consideravelmente o consumo de banda, limitando o número de operações ao número de verbos do protocolo e evitando ambigüidade.

Na parte 2 desse artigo iremos explorar de forma prática a utilização de REST para a construção de uma API na Web.

Até a próxima...

Referências