Uma ode ao Docker - Parte 1

Logotipo do Docker

Virtualização é um dos assuntos que mais evoluiu nesses últimos anos de TI. Mas foi o termo "containerização" que teve um "boom" de popularidade recentemente. Isso graças ao Docker, popular ferramenta que tem tornado a virtualização/containerização em uma commodity no universo de desenvolvimento de Software.

Para ser sincero, eu só "parei para olhar" o Docker no final do ano passado, através de um excelente curso do Udemy. Se você assim como eu ainda não teve tempo para ver "qualé", vem comigo que eu te mostro :)

Antes do Docker: Containers

Eu só comecei a entender realmente o que era o Docker a partir do momento que compreendi o que é um container.

No mundo "pré-virtualização", quando lidávamos com problemas como escalabilidade ou isolamento, precisávamos adquirir uma nova máquina física, instalar e configurar o Sistema Operacional, bem como instalar e configurar a própria aplicação:

Diagrama de era pré-virtualização (udemy.com)

Além do custo altíssimo para replicar a arquitetura acima, o tempo para solicitar uma nova máquina e realizar uma possível migração eram absurdamente altos. Além disso, há um incrível desperdício de recursos, já que não é necessário um hardware exclusivo para servir uma aplicação Web simples.

Hypervisor

O conceito de máquina virtual vem bem a calhar para sanar o problema acima: Através de uma configuração de hardware, ser possível servir de forma isolada diferentes aplicações.

Quando falamos de máquinas virtuais Virtualbox ou VMWare, estamos nos referindo ao Hypervisor-based Virtualization. Nessa modalidade temos uma ferramenta responsável por abstrair diferentes Sistemas Operacionais funcionando dentro de um mesmo hardware:

Diagrama de virtualização por hypervisor (udemy.com)

Para cada máquina virtual, é necessário um Sistema Operacional instalado e configurado, bem como a própria aplicação.

Agora somos capazes de reaproveitar o processador, memória e banda de rede, reduzindo consideravelmente o custo. Essa "abstração" que há entre a aplicação e o hardware permite maior flexibilidade quando houver a necessidade de escalar ou migrar a aplicação para outra máquina física.

Bom! Mas e se pudéssemos compartilhar o mesmo Sistema Operacional para as 3 apps ilustradas acima, mas ainda assim mantê-las isoladas?

Containers

Segundo o ZDNet, containers:

(...) use shared operating systems. That means they are much more efficient than hypervisors in system resource terms. Instead of virtualizing hardware, containers rest on top of a single Linux instance. This in turn means you can leave behind the useless 99.9% VM junk, leaving you with a small, neat capsule containing your application.

Através de Containers é possível utilizar o conceito de virtualização, só que de uma maneira diferente: Não temos mais um Sistema Operacional por ambiente virtualizado, e sim compartilhamos os mesmos recursos do Sistema Operacional da máquina hospedeira:

Diagrama de containerização (udemy.com)

Com isso reduzimos ainda mais os custos de operação, além de proporcionar um tempo ainda menor de deployment de uma nova aplicação. Agora, do ponto de vista da aplicação, precisamos apenas do app instalado e configurado.

Enfim: O que é Docker?

Docker é uma ferramenta open source, responsável por tornar fácil a criação, deploy e execução de aplicações através do uso de containers. Com a containerização Docker, o desenvolver pode empacotar a aplicação com todas as suas dependências, e distribuí-la através de um pacote único. Esse pacote único executará em qualquer máquina Linux (com Docker, claro), podendo ser o seu ambiente de desenvolvimento local, seu ambiente de testes e homologação, ou até mesmo o ambiente de produção.

Vim falar de Docker mas só encontrei containers (marvelcinematicuniverse.wikia.com)

Se até aqui você achou o Docker semelhante ao Vagrant, você não está de todo errado. A principal diferença é justamente o conceito de containers: Docker permite que aplicações utilizem o mesmo kernel Linux da máquina hospedeira, reduzindo drasticamente o tamanho da aplicação e reduzindo o consumo de recursos da máquina hospedeira.

Considerações finais

Docker é no fim das contas uma ferramenta extremamente útil, e que possui umas das comunidades mais ativas e empenhadas no momento. Ferramentas de PaaS como o Tsuru utilizam Docker ativamente e servem inúmeros serviços e aplicações nesse exato momento.

Se até aqui você não está bem certo sobre o que é de fato o Docker, não se preocupe! Na parte 2 falaremos mais sobre a ferramenta (e menos sobre o conceito) de uma forma bem prática.

Até a próxima.

Referências