Posts com testes

BDD com Django e Behave

Given, When, Then (opkey.crestechglobal.com)

Testar o comportamento da sua aplicação, ao invés de pequenos módulos isolados, é uma grande prática no que diz respeito a escrita de testes que guiem o seu desenvolvimento. Deixando a polêmica do "TDD is dead" de lado, criar cenários que garantem um determinado fluxo, além de servir como um excelente contrato à sua suite de aceitação, é uma ótima ferramenta para garantir que a integração back-end/front-end está funcionando de acordo com o esperado.

Os testes e os dublês - Parte 2

TDD (izenbridge.com)

No post anterior, vimos um dos cenários de testes utilizados por times da Globo.com, onde não escrevemos testes "isolados" (famigerados microtests), e abusamos da integração entre classes e serviços.

Mas até mesmo para nós existe um limite que não podemos ultrapassar: O caso de uma consulta a uma API externa, por exemplo. Nesse cenário, precisamos fingir que estamos fazendo isso, sem perder a segurança em nossas asserções.

Os testes e os dublês - Parte 1

Test Double Em tempos onde discussões envolvendo a relevância dos testes têm causado furor nos diferentes campos da área do desenvolvimento de software, nada mais justo do que "chovermos no molhado", e falarmos sobre testes, mocks, stubs e todos os seus primos menos famosos.

Nessa primeira parte, vamos conceituar toda essa "sopa de letrinhas" e detalhar a forma peculiar como os testes são tratados dentro de um dos times da Globo.com.

Diferentes ambientes: Development, Testing, Staging e Production

Diferentes ambientes Uma das práticas mais interessantes nessa “nova onda” de qualidade que está “encrostada” nas práticas agile de desenvolvimento de software, é o uso de diferentes ambientes para diferentes estágios do ciclo de vida de uma aplicação.

Com auxílio da virtualização, podemos implementar (sem dificuldades) estes ambientes em qualquer empresa que tenha como cultura entregar software de qualidade.

BDD: Desenvolvimento Orientado a Comportamento

Etapas do BDD Esse post foi originalmente escrito para o Profissionais TI, você pode conferi-lo na íntegra aqui.

No post anterior, introduzi o conceito de TDD. Mas para relembrar, utilizando a prática “baby steps” temos os seguintes procedimentos:

  • Escreva um teste que falhe;
  • Escreva um código (rudimentar) para o teste;
  • Faça o teste passar;
  • Deixe o código “cheirando bem” (refactoring);
  • Volte para o primeiro procedimento.