BDD: Desenvolvimento Orientado a Comportamento

Etapas do BDD Esse post foi originalmente escrito para o Profissionais TI, você pode conferi-lo na íntegra aqui.

No post anterior, introduzi o conceito de TDD. Mas para relembrar, utilizando a prática “baby steps” temos os seguintes procedimentos:

  • Escreva um teste que falhe;
  • Escreva um código (rudimentar) para o teste;
  • Faça o teste passar;
  • Deixe o código “cheirando bem” (refactoring);
  • Volte para o primeiro procedimento.

O TDD é focado em testes unitários, onde você isola um modelo (por exemplo) e monta-o de acordo com os testes que você escrever. Quando você tiver um determinado número de modelos, aí você testa a integração entre eles, e assim por diante.

Fazendo uma analogia, isso é mais ou menos como construir o software “de dentro para fora”, onde partimos escrevendo testes específicos (unitários) e depois vamos abrangendo outras regiões do sistema (integração, funcional, aceitação, etc). Já em BDD (Behavior-Driven Development) podemos dizer que o software é desenvolvido “de fora para dentro”, onde os testes são construídos baseados nos requisitos do cliente ou em um roteiro de aceitação (também conhecidos por estórias).

Esta prática é semelhante ao TDD: testes são escritos primeiro, funções depois; O diferencial está que BDD aborda o comportamento e o resultado como um todo, não preocupando-se necessariamente com as classes, métodos e atributos de forma isolada.

Mas então qual usar? TDD ou BDD?

Essa era a minha dúvida. E demorou até cair a ficha

Depois de uma boa conversa com o @andrewsmedina (hoje já faz um tempo que esta conversa aconteceu (: ), captei que pode-se utilizar os dois! Claro! Garanta que a aplicação está indo de acordo com o teste de aceitação escrito, e garanta que a escrita de determinada classe esteja de acordo com os testes unitários criados.

Geralmente trabalho com testes automatizados da seguinte maneira:

  • Escrevo estórias para determinada tarefa;
  • Escrevo estas estórias em forma de testes. Estes testes podem ser classificados como funcionais (no meu caso testo as views do Django, mas isso pode variar de acordo com a aplicação);
  • E através de “baby step” e unit, crio testes isolados para os modelos, formulários, views, etc.

Testes de comportamento tendem a levar mais tempo para serem executados, esta é outra razão para termos sempre em mãos os testes unitários.

Até hoje não ví uma maneira “silver bullet” de trabalhar com testes automatizados. Encaro da seguinte maneira:

  • Está cobrindo o teu sistema?
  • Está guiando de forma correta o seu desenvolvimento?
  • Está sendo escrito da forma correta (não deixando bugs passarem despercebidos, por exemplo)?

Se todas as respostas forem sim, acredito que esteja sendo feito da maneira adequada.

Referências