Eu me rendo: VS Code

Logo do VS Code

É, caro leitor... chegou o dia de admitir que tenho usado outro editor além do Vim. Pode me julgar, me chamar de "poser" ou de "vendido", mas acontece que tenho descoberto no VS Code, da Microsoft, uma excelente ferramenta para desenvolvimento Web.

Piadas à parte, ainda acho o Vim uma ferramenta fantástica. Mas também reconheço que há uma curva de aprendizagem, e que montar um set de plugins para um determinado ambiente de desenvolvimento pode ser uma tarefa maçante (sim, eu estou olhando para você, python-mode). Nisso, tenho que reconhecer que o Visual Studio Code faz um trabalho primoroso.

Motivação

Tenho "advogado" contra o uso de IDEs desde 2009. De lá para cá, geralmente trabalhei com ambientes relativamente fáceis de lidar, como Javascript, PHP e Python. Essa opinião mudou a partir do momento que comecei a desenvolver para Android. Não digo que usar editores de texto (como o Vim ou Emacs) para desenvolver Java/Android seja impossível, mas (IMO) beira o masoquismo. Com o Android Studio, por exemplo, muitas barreiras de setup de ambiente são derrubadas pela ferramenta, aumentando produtividade e diminuindo o tempo necessário para ter a sua solução funcionando no dispositivo do seu usuário.

IDE pero no mucho

Além de ser livre e de código-aberto, o Visual Studio Code é leve, extensível e construído em Javascript. Ele funciona "out of the box" para linguagens como CSS, Javascript e HTML, inclusive, é impressionante como o autocomplete (através do IntelliSense) funciona "smoothly" para as mesmas.

Tô traindo o movimento tipo o Lando (theplaylist.net)

O seu marketplace de plugins é rico, e é sem dúvida um dos seus pontos fortes. Adicionar code formatters, autocomplete, ou integrações com ferramentas externas nunca foi tão fácil. Além disso, a opção de customizar o editor globalmente ou por workspace é uma mão na roda para quem trabalha com mais de um projeto no cotidiano.

Utilitários de refactoring, debugging, controle de versão, além dos inúmeros plugins para tests, só aumentam ainda mais o poderio do editor, e dão a ele esse "jeitão" de IDE, sem perder a simplicidade peculiar dos editores de texto.

Python

Para usar o editor com Python, a extensão criada pela própria Microsoft deve ser o suficiente. Ela é simples de configurar e muito rica, trazendo comandos interessantes como Start REPL ou Run all unit tests.

VS Code com Python

A configuração granular do editor permite que você tenha um determinado conjunto de regras para cada projeto que esteja envolvido. Por exemplo, em um projeto pessoal você usa nose como test runner, além de pylamas e mypy. Mas no projeto da sua empresa o padrão é pytest, isort, e a única ferramenta de lint é o flake8:

{
"python.linting.flake8Path": "/home/klaus/.pyenv/versions/company-project/bin/flake8",
"python.pythonPath": "/home/klaus/.pyenv/versions/company-project/bin/python",
"python.sortImports.path": "/home/klaus/.pyenv/versions/company-project/bin/isort",
"python.linting.pylintEnabled": false
}

Notou o path com pyenv? Com a opção python.venvPath apontando para o diretório do pyenv, fica muito mais conveniente configurar qual interpretador e ferramentas de lint utilizar. Ao executar o comando Python: Select interpreter o plugin levará em consideração os seus ambientes virtuais e irá sugerí-los.

Vim bindings

É claro que você pode trazer umas das melhores coisas do Vim para o VS Code! Os keys bindings vão te dar a velocidade de escrita que você já está acostumado, e o VSCodeVim é uma excelente escolha como extensão.

Obviamente que, por tratar-se de um emulador, não temos toda a experiência do Vim. Para compensar a extensão já traz algumas funcionalidades embutidas, como easymotion, surround, commentary e sneak.

Considerações finais

Um dos maiores desafios que enfrentei com a adoção do VS Code foi quebrar esse preconceito bobo que todo "fanboy" tem com tecnologias que rivalizam com a sua. Na verdade, testar novas ferramentas (como o VS Code), tecnologias (como o iOS) e até outras linguagens (como Java e Scala), tem agregado muito ao meu crescimento profissional.

E se você está torcendo o nariz para o fato do editor ser da Microsoft, lembre-se: Github também é dela.

Até a próxima.